Transtorno de Personalidade Opositivo Desafiador

As principais características do Transtorno de Personalidade Opositivo Desafiador são: comportamentos negativista e argumentativo, desafiador, hostil com figuras de autoridade, pais ou cuidadores. Perder a paciência, discutir com adultos, desafiar ativamente ou recusar-se a obedecer a solicitações ou regras dos adultos deliberadamente, fazer coisas que aborrecem outras pessoas e mesmo responsabilizá-las pelos seus erros ou mau comportamento, ser suscetível ou facilmente aborrecido pelos outros, mostrar-se enraivecido e ressentido, ou ser rancoroso ou vingativo. São comportamentos que ficam em evidencia.

Há os sintomas negativos, de teimosia persistente, resistência a ordens e relutância em comprometer-se, ceder ou negociar com adultos ou seus pares. O desafio pode incluir testagem deliberada ou persistente dos limites, geralmente ignorando ordens, discutindo e deixando de aceitar a responsabilidade pelas más ações. Em geral, os indivíduos com este transtorno não se consideram oposicionais ou desafiadores, mas justificam seu comportamento como uma resposta a exigências ou circunstâncias irracionais.

É importante que estes sintomas persistam por mais de seis meses para que possa se enquadrar no Transtorno.

São comuns crianças e adolescentes com esse transtorno testarem os limites do adulto através desses comportamentos e sintomas. Geralmente esta atitude destrutiva é projetado à pessoas conhecidas, ou seja, outras pessoas que não fazem parte do círculo de convivência da criança ou do adolescente não identificam este comportamento agressivo facilmente. Quanto aos pais especificamente, o comportamento destrutivo do filho pode ser uma reprodução do que a criança ou o adolescente vivencia em casa.

Esta violência emocional é o principal fator de uma personalidade desorganizada e opositora, pois a criança não reconhece o limite de quem deveria dar este limite. Muitos pais enxergam na escola a possibilidade de ficar longe do filho o máximo que puder, analogamente, como se estivessem livrando-se de um problema ou estorvo.

Embora não existam causas especificas do TOD, os recentes estudos sugerem que o transtorno parece ser mais comum em famílias nas quais pelo menos um dos pais apresentam questões psiquiátricas como transtorno do humor, transtorno da conduta ou transtorno da personalidade anti social, além de histórico de uso de drogas. É muito importante para o tratamento a participação de toda a família, uma vez que a orientação deve servir para todos e para que assim a família se sinta integrada e unida.

O Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade é comum em crianças com Transtorno Desafiador Opositivo, bem como os Transtornos da Aprendizagem e da Comunicação. Características específicas da idade, gênero e padrão familiar moldam os portadores do TOD.

Quando o transtorno de personalidade opositivo desafiador não é tratado, há uma enorme probabilidade de progredir para o Anti Social. Apesar de alguns sintomas serem observados no desenvolvimento normal, a alta frequência e a intensidade, formadores do aspecto dimensional, é que irão separar o transtorno do que é considerado normal.

2 Comentários

Assinar feed dos Comentários

  1. - Responder

    tenho um filho de 17 anos diagnosticado com TOD desde 06 anos de idade usei medicamentos e psicologos ate 11 anos de idade na neurologia com muitas dificuldades hj este filho usa drogas maconha haxixe skank e alcool e faz trafico e esta na situacao de justica o que posso fazer,???

    • - Responder

      Boa noite Carla,

      O tratamento para TOD deve ser realizado com psicólogo e psiquiatra, não neurologista.
      Importante saber se ele quer ajuda ou se é vc quem precisa de auxílio.
      Caso queira conversar melhor, entre em contato comigo.
      Celular e Whatsapp: (21)96940-3462.

      Grata pelo contato,
      Att,
      Danielle Marques.

Deixe seu Comentário

Seu endereço de email não será publicado.
Campos com * são obrigatórios.